Humildade e Imensidão do Universo

As vezes quando pensamos na nossa vida, aqui em nossa cidades, nos lugares do nosso convívio perdemos um pouco a dimensão da realidade. Olhamos para um projeto como um novo negócio no trabalho e toda nossa vida parece que é sugada pelos números, pelos emails, pelas pessoas envolvidas nesse projeto e porque não, até mesmo nosso sono e nossa paz também são sugados por ele. Nessas situações dizemos que perdemos a dimensão da vida, transformamos nossa jornada aqui na terra através dos nossos valores e desejos em ações na bolsa, em renda, no desejo simplório de atingir pequenas metas que na verdade são tão passageiras como castelos de areia.

Quando é com o outro é sempre fácil e previsível. Observamos as pessoas se juntarem para montar negócios, mas já sentimos o cheiro de longe que aquilo não tem como dar certo. Ou as pessoas não possuem as qualificações necessárias, ou as pessoas tem uma dificuldade de relacionamento que as impede de trabalhar em grupo, ou então, simplesmente, o projeto é uma fantasia, mesmo que coletiva. Quando olhamos, achamos até infantil, pois a análise tem uma verdade por detrás e, mas a verdadeira infantilidade é nossa arrogância de julgar os outros e suas iniciativas.

Nosso intelecto tem essa capacidade cruel de classificar e julgar, para estabelecer padrões regras e previsões. Se por uma lado existe uma realidade nesses julgamentos por outro ele não está levando em consideração na maioria das vezes a humanidade das pessoas. A parte não racional, que todos temos muito ativa na gente, é na verdade um fator determinante em todos os nosso empreendimentos. E dessa forma, não levá-lo em consideração é uma arrogância e levá-lo em consideração não consiste em apenas colocar um folga nos números para levar em consideração o fator humano. Consiste em suspender nossos julgamentos e críticas em relação ao outro, sabendo que por detrás das ações por mais absurdas que sejam, existe um ser humano como nós.  Esse é o princípio da humildade. Um reconhecimento das nossas próprias limitações e virtudes no outro, uma não diferença básica apesar das diferenças aparentes.

Ao contrário do que somos colocados a pensar, humildade não é uma atitude de submissão. Humildade é abrir as portas para o outro entrar e entender que seu escudo está nas mãos de Deus; e sempre esteve para falar a Verdade.

Existe uma oração para São Jorge que fala exatamente sobre isso: “Chagas abertas. Que o sangue corra em mim… e que seja protegido por sua armadura…” Quando temos nosso coração conosco e não perdido entre os objetos não há necessidade de se proteger e competir a todo o custo. A melhor arma não é a espada mais a verdade do coração.

A necessidade de competir, se defender e lutar deve ser substituída por um desejo sincero de amar, o luto e uma sinceridade doce. Essa é uma atitude de uma pessoa que é senhora de si, o significado de “ahimsa”, a não violência. Talvez o valor mais simples e mais difícil de ser alcançado em profundidade. Nós professores de yoga, guias espirituais e professores falamos sobre esse valor, mas isso não é apenas moderar no “esticamento” do corpo ou não agredir as pessoas com palavras. É preciso entender que nós competimos devido a essa semente de violência no nosso coração e que a verdadeira ahimsa é muito mais difícil de se viver do que parece.

Fomos treinados para lutar, para ganhar, para sobreviver, e por isso é tão difícil “largar a faca” mas se nosso propósito na vida é o yoga, Já é tempo. E enquanto a mão segura a faca não será possível darmos as mãos e seguir em frente como essa família que nós somos.

A humildade é essa atitude de integridade consigo e com o outro que surge de um entendimento da imensidão desse universo. Nosso telescópio Kepler na órbita da Terra, tem mapeado nossa galáxia e os números são tão surpreendentes que viram poesias.

Nossa galáxia possui 100 bilhões de estrelas como o nosso sol (100.000.000.000). Nessas estrelas giram planetas de todos os tipos e pela estatística dos sinais do telescópio 17 bilhões tem padrões atmosféricos semelhantes ao da terra, em temperatura e pressão que possibilitam a formação de vida. Nossa família é muito maior do que imaginamos e nossa casa, a mãe terra é apenas um grão de areia diante da imensidão de planetas que podem ter vida como o nosso. Nossa vida que gira em torno de 100 anos, não é nem um espirro na história da nossa galáxia e nossos problemas, as contas para pagar, os empreendimentos e discussões são apenas uma piada cósmica.

Quem é realmente diferente de alguém, quem é melhor ou pior?

A quem se acha o máximo, falta uma visão da imensidão desse universo, só isso que podemos dizer.

De acordo com os cientistas a base de todo o universo do ponto de vista dos elementos químicos são: o Hidrogênio, Oxigênio, Nitrogênio e o Carbono, substâncias produzidas pelas estrelas. Nosso corpo, o ar que respiramos são as próprias estrelas.

Olhe para o céu, nós não somos separados e todos nós brilhamos na nossa própria forma…

Que Deus nos livre da arrogância e nos permita apreciar uns aos outros como a luz das estrelas.

Leave a Comment

Start typing and press Enter to search