Om Namah Shivaya

Esse é uma mantra muito famoso da Tradição Védica, e é considerado extremamente auspicioso. Ele é conhecido como Pañchakshari (pañcha – cinco; akshara – sílaba) porque tem cinco sílabas: na, ma, shi, va, ya. O om é um acréscimo. Ele aparece nos Vedas, dentro de um grande mantra de onze seções chamado Shri Rudram. O Shri Rudram em si é considerado o mais sagrado dentre os mantras védicos, aparecendo no quarto capítulo do Krishna Yajur Veda, que tem sete capítulos. Portanto, o Shri Rudram está bem no meio deste Veda. Se o Veda fosse um colar, o Shri Rudram seria o seu pingente. Também, dentro do Shri Rudram, a palavra shiva está localizada no meio. Portanto, se o Shri Rudram fosse um colar, a palavra shiva seria o seu pingente.

Shiva é uma palavra em sânscrito que significa simplesmente ‘bom’, ‘benéfico’, ‘auspicioso’, e é um nome atribuído a Rudra no Shri Rudram. O nome Rudra significa aquele que elimina (dravayati) o sofrimento (rud, duhkham), e por isso Rudra é Shiva, auspicioso.

O pañchakshari mantra consiste de uma saudação, namah, e o nome do Senhor Shiva no caso dativo, significando ‘para Shiva – shivaya’. Para o Senhor Shiva, aquele que é auspicioso porque que elimina o sofrimento, eu ofereço minhas saudações – om namah shivaya.

Namah, a saudação, quando direcionada a Deus tem o sentido de uma profunda prostração e entrega. Assim, o Pañchakshari mantra é um Sharanagati mantra, um mantra de rendição e entrega. Namah shivaya significa: eu me entrego à vontade de Deus na forma da ordem universal. Shiva é a própria ordem do universo, a lei que regula todas as coisas. Todas as leis que sustentam o mundo são expressões da vontade de Deus, incluindo a lei do karma.

A ‘vontade de Deus’, contudo, não é a expressão de um capricho, de um engano, ou de uma zanga, como é muitas vezes a vontade de um indivíduo. Deus é pleno, livre de carências de qualquer espécie e, portanto ele não tem caprichos e não pode ficar zangado, ainda que você se esforce em irritá-lo. Tampouco ele pode se enganar, porque é onisciente. A ‘vontade’ de Deus então nada mais é do que a expressão da sua onisciência. O que equivale a dizer que tudo quanto Deus quer é adequado e perfeito, ainda que do ponto de vista do indivíduo ignorante tudo possa parecer ‘errado’.

Pois é a experiência de qualquer indivíduo neste mundo a sensação de inadequação, a sensação de que a vida está indo ‘errada’, aos ‘trancos e barrancos’, e que tudo deveria ser diferente e melhor – o que causa toda a série de transtornos cada vez mais comuns entre nós como ansiedade desmedida, medo desmedido, depressão desmedida, e assim por diante.

Mas o fato é que a vida de cada um é perfeita, porque cada um tem as experiências que lhe cabem segundo a lei do karma, que é expressão da onisciência divina. Se tudo é controlado por Deus – o ser onipotente e onisciente que é a causa do universo – então como pode haver espaço para imperfeição? Todas as experiências que um indivíduo encontra na vida – agradáveis e desagradáveis – são frutos das suas próprias ações, dados por Shiva de forma adequada e perfeita.

Om namah shivaya significa a atitude de render-se frente a essa realidade e aceitar completamente todas as situações que ocorrem na vida, sem a resistência de achar que algo está errado ou fora da ordem. Portanto, aquele que canta o Pañchakshari mantra e contempla o seu significado tem como resultado a mais perfeita paz, shanti, não suscetível de ser abalada por nenhum acontecimento.

Showing 0 comments
  • alessandrardmonteiro@gmail.com A
    Responder

    Om Namah Shivaya

Leave a Comment

Start typing and press Enter to search