Qual o papel da psicologia na espiritualidade?

O termo espiritualidade é amplamente usado para se referir a prática de terapias, conhecimento das emoções, análise dos fatos marcantes dessa vida e até de outras. Embora essas atividades e conhecimentos advindos delas sejam úteis na vida de uma pessoa, a espiritualidade não tem o mesmo campo de atuação que os trabalhos psicoterapêuticos.

Qual o papel da psicologia na espiritualidade? Qual a diferença entre os dois? E até que ponto cada um pode nos levar? Como a psicologia e suas ferramentas podem colaborar na busca pelo autoconhecimento?

Dentro da tradição védica existia um conjunto de termos e ferramentas que anteriormente estavam misturadas com os ensinamentos de vedanta e que eram passados sem uma formalização através da relação mestre-discípulo. Ao passar dos anos o Swami Dayananda lecionando no ocidente formalizou estruturas lógicas de pensamento e ferramentas terapêuticas que são frutos do seu próprio
estudo de psicologia e da sua visão da espiritualidade. Naturalmente, as ferramentas que se mostraram mais úteis sobrevivem ainda hoje, presente em todos os professores que estão em sua linhagem.

Uma dessas é o desenvolvimento do “inner friend” – “o amigo interior”, que foi amplamente discutido nesse curso de 3 anos com o apoio da professora Radha (Carol Withfield), aluna antiga do Swamiji que proferiu uma série de palestras sobre o tema.

Vedanta propõe que a chave para reconhecer a si mesmo, é o que chamamos de viveka – a discriminação entre aquele que vê e o que é visto. Qualquer experiência é uma relação entre sujeito e objeto, mas em geral não damos importância para essa relação.

Quando analisamos a relação entre o indivíduo e o mundo aprendemos a importância dos valores para usufruir de uma vida com relativa paz e harmonia. A espiritualidade não tem como papel apresentar os valores universais, porém mostra a correlação entre esses valores que já são conhecidos por nós e nossa satisfação e estabilidade emocional. É muito estressante viver uma vida sustentada por uma trama de mentiras e é, por outro lado, naturalmente gratificante ser verdadeiro e ajudar as pessoas. Esses valores, como a verdade, a não violência e a compaixão são usados e experimentados nos relacionamentos com as outras pessoas no mundo. E o ponto aqui é que existe para cada um, também, uma relação consigo mesmo. Nesse caso não estamos nos referindo a natureza do sujeito, mas as diversas camadas que compõe a mente.

Temos uma relação com a mente, com a memória, com o intelecto, assim como temos com as pessoas. As relações externas são reconhecidas, contudo as internas em geral passam despercebidas. E nessas relações também pode existir um desgaste, uma dor e um sofrimento. Se dividirmos a mente entre o intelecto e todo o resto que inclui as emoções, reações, memórias e pensamentos, podemos dizer que: “assim como me relaciono com as pessoas a minha volta, o Intelecto se relaciona com todas essas emoções e pensamentos”.

Uma vez percebida essa relação, o mesmo sistema de valores que temos em relação ao mundo também pode ser usado internamente, na relação que o intelecto estabelece com as outras camadas da mente. Apesar dessa relação estar sempre presente não somos conscientes dela e por isso a maneira como lidamos com o mundo pode ser diferente da maneira com que falamos com nossa própria mente.

Por exemplo, nunca falaríamos para uma outra pessoa frases como: “Isso é tão estúpido! Você nunca vai obter sucesso. Não é inteligente suficiente para aprender sânscrito ou outra língua qualquer. Burra! Você é uma pessoa má! Um fracasso!”

Simplesmente, não é concebível lidar com o mundo dessa maneira. E por que não? É só imaginar que tipo de reação obteríamos de volta. Com certeza, não receberíamos respostas como: Eu te amo. Vamos passar mais tempo juntos. É sempre bom estar na sua companhia. A verdade é que ninguém reage assim. Queremos ser bem tratados por isso naturalmente fazemos o possível para não machucar as pessoas a nossa volta.

Por mais que esses valores sejam naturais e lógicos ao lidar com o mundo externo, dentro da própria mente eles não são observados e o que parece que é que existem vários personagens brigando entre si. Se externamente o contato com uma pessoa crítica, ou sem respeito, ou que faz a gente se sentir mal, provoca em geral um recuo, acompanhado de reações diversas, por que com a nossa “criança interna” seria diferente? Quando existe a crítica interna aquele trauma ou problema trazido pelo subconsciente é empurrado de volta para “o nimbo” com mais força e o que acontece é que a gente não cresce, pois a criança não se sente ouvida, se sente rejeitada, alienada e logicamente insegura. Externa ou Internamente o recuo é sempre acompanhado de tristeza, porque queremos ser aceitos e amados. A alienação diante de um mundo tão vasto e poderoso é causa de sofrimento nas relações humanas.

Se um terapeuta tiver que lidar com esse tipo de situação, ele vai tentar acomodar as pessoas que estão zangadas e absorver a hostilidade que vem do paciente, mas fora desse ambiente ninguém fará isso. Toda vez que um ambiente me der felicidade, paz e completude eu naturalmente me atraio naquela direção. E o oposto também é verdadeiro, me afasto do que me produz dor e sofrimento.

Internamente, onde existe essa atmosfera de amor, compreensão, confiança, existe um amigo interno, pois toda a mente incluindo o subconsciente tem um espaço confortável e saudável de trabalho. É possível descobrir uma paz e uma gratitude disponíveis na mente quando a tratamos com esses valores que já conhecemos. Ela relaxa e nos sentimos confortáveis. Porque aquela voz interna que comenta minhas atividades é um amigo e não um inimigo.

Nós podemos realmente ser um inimigo interno para com nossas emoções, reações e mente, sem perceber.

Esse inimigo em geral é algo que construímos ainda crianças. Por exemplo, pais com temperamento nervoso falam com raiva, onde nada do que se faz é bom o suficiente: “Não faz isso, se comporta, você nunca me trata bem, não faça isso, modos na mesa, ta rindo do que?” Quando a criança recebe apenas inputs negativos, o que acontece é que aquela voz é internalizada. Depois essa voz pode continuar naturalmente em toda a vida de uma maneira que talvez não se perceba.

O termo “inner friend” surgiu quando o Swami falava sobre o tratamento de crianças. Uma das coisas que ele enfatiza é que se deve tomar cuidado para não dizer: “não”  a todo momento. Porque os pais estão criando o “superego”, essa voz que vai acompanhar toda a vida. E para dar uma idéia dessa relação ele usa com frequência esse termo o “inner friend” ou amigo interno.

Esse entendimento pode realmente mudar a forma de uma pessoa ser, porque a gente descobre que eu posso ser um amigo para mim mesmo e não um crítico, uma pessoa desagradável internamente. Podemos tratar a nós mesmos da mesma maneira que tratamos uma outra pessoa. Não é surpreendente essa maneira de pensar? Imagine o que poderá ocorrer na nossa mente com essa mudança.

A princípio quando falamos de uma maneira agradável internamente, existe realmente um estado de choque, porque, de repente, aquele “general”  é substituído por aquela pessoa amável, que se direciona aos amigos querendo ajudar construir, que é um modelo dos yamas e niyamas (valores do yogi). Nessa mudança existe muita felicidade e satisfação.

Uma vez que essa mudança acontece, a mente começa a relaxar e se abre um espaço interno muito grande, ótimo para adquirir a maturidade emocional necessária para o autoconhecimento. A “criança interna” começa a desenvolver confiança e se sentir atendida, aos poucos ela deixa de ser um problema e passa a ser o que ela é, como toda criança, uma fonte de amor, mesmo com todos os seus problemas.

E depois, o que adianta sorrir para fora sem um sorriso interno? Sem o sorriso interno, as pessoas não percebem o sorriso externo. Elas percebem apenas a insegurança ou o medo ou dependência por detrás da contração dos músculos da face. É muito difícil esconder nossa relação interna quando lidamos com o mundo, porque afinal todos fazemos a mesma coisa.

Podemos tentar interagir aos poucos com aquela voz crítica e falar com ela: “eu entendo que você fale assim, foi assim que você aprendeu, mas você não precisa mais agir dessa maneira” nós podemos validar nossos sentimentos, criar uma relação de confiança e desenvolver nosso self-talk!

Essa e outras ferramentas são de extrema importância para as pessoas interessadas no auto conhecimento, pois elas criam esse espaço interno. Se essa disponibilidade, não é possível apreciar a verdade que o auto conhecimento nos traz.

Para ilustrar a relação entre o papel da psicologia e a espiritualidade segue uma comparação:

“…Só uma pessoa que se esforça para estar em paz com o mundo externo, pode descobrir como estar em paz com sua mente.

Só uma pessoa que se esforça para estar em paz com sua mente, pode descobrir através do autoconhecimento que sua natureza é paz.

Uma vez descoberta a paz que já somos, lidar com a mente e o mundo não requer esforço.

É como a sensação de liberdade espontânea de um vôo livre…”

Showing 0 comments
  • Eliana Furtado
    Responder

    Ah, Jonas! Que bacana! Tão bem escrito e elucidativo. Por isso eu valorizo tanto os meus vários anos de terapia, antes de encontrar o vedanta. Hari Om Tat Sat

  • Luciano
    Responder

    Muito bom, Jonas! Abraço!!

  • soniamattosomoura
    Responder

    …todos nós fomos educados pelos nosso pais, da forma como eles aprenderam. Como devemos apagar tudo que nos foi dado e começar do zero? È difícil, por isso ficamos dando volta em círculos da nossa ignorância.Estes padrões são sempre repetidos a todo momento, e percebemos em consciência exaustivamente…

    • satsangaonline
      Responder

      Namaste,
      Obrigado pelo comentário.

      Pois é, realmente não é possível trabalhar toda nossa história ou trabalhar totalmente fora dos padrões que aprendemos com os nossos pais. Contudo para ser feliz não é necessário ter uma mente perfeita. De vez em quando nos deparamos com bons momentos mesmo como todos os nossos traumas e medos. A mensagem de Vedanta é que somos diferentes da nossa mente mas para entender isso com toda profundidade necessária nossas cargas emocionais devem estar baixas.
      Uma vez o Swami Paramarthananda falou assim para mim:
      “… a mente é um instrumento que está sempre em defasagem com o nosso intelecto. Entendemos que algo não é perigoso mas o medo vem devido as nossas conexões do passado. Ela foi feita para nos proteger e por isso traz esses reflexos emocionais. A todo momento estamos revendo essas conexões e amadurecendo. A mensagem de vedanta é que graças a Deus sou diferente da minha mente, eu sou aquele que observa todas essas mudanças na mente…. e se você me perguntar qual o último dia de crescimento de uma pessoa, eu te digo é o seu último dia de vida. Em termos de mente estamos sempre crescendo…”

      harih om

  • soniamattosomoura
    Responder

    Bom dia Jonas ,vc me respondeu ! muito obrigada éra tudo que eu queria ler. vou ler e reler.

  • Responder

    A paz é tudo, pois através dela descobrimos que a nossa natureza é luz, é o AMOR….e assim a paz esteja conosco.

  • Tëël ÄnjÖs
    Responder

    vou plubrica no meu face massa

Leave a Comment

Start typing and press Enter to search