Quando o V tem som de U nas palavras em sânscrito? Sw Saksat explica…

Quando o “V” tem som de “U” nas palavras em sânscrito? Sw Saksat explica...

A explicação clássica é que o “v” quando precedido por consoante tem som de “u”. Entretanto essa explicação por si só muitas vezes não é suficiente para compreender o som emitido por alguma combinações de letras.

Para deixar clara a explicação observemos as seguintes palavras, onde o “v” tem som de “v”: vāmana, ravana, atīvra, gandīva. Em todas essas palavras o “v” não é precedido por consoante. Já nas palavras que o “v” é precedido por consoante, o som deve ser de “u”, como: sarasvati,  natvā, kupvau.

Apesar dessa explicação ser clara, ela muitas vezes não é suficiente porque quando escutamos mantras como o “saha nāvavatu … mā vidviṣāvahai” observamos que o som emitido não é exatamente de “u” e existe uma espécie de pausa, como se houvesse uma separação entre “vid”e “viṣāvahai”.

Isso se dá por 2 razões. A primeira é porque o existe uma outra regra que diz que quando duas consoantes aparecem juntas a primeira é duplicada, o que é estabelecido pelo sūtra de Pāṇini: “anaci ca”( 8.4.47). E para efeitos de canto é como se a primeira consoante fosse repetida no final da primeira sílaba, ficando no exemplo dessa forma: “viddviṣāvahai”.

A segunda razão é que a pronúncia da letra ”u” dos indianos é sutilmente diferente da nossa. O “u” quando substitui a letra “v” tenho um som parecido como “w”, existe o toque do lábio inferior na arcada dentária superior. E no final das contas sai um som intermediário que precisamos ficar atentos para discernir.

Quando o “V” tem som de “U” nas palavras em sânscrito? Sw Saksat explica...

Tatuí Gigante!

Se você tiver um amigo indiano peça para ele dizer a palavra “tatuí” e observe como existe uma diferença sutil na forma que estamos acostumados a dizer e incorpore essa diferença nas palavras em sânscrito como em “sarasvati”, por exemplo.

***Essa explicação foi elaborado junto com o Sw Sakasat, durante suas caminhadas para responder a pergunta de um leitor!

Comments
  • satsangaonline
    Responder

    Aproveito a oportunidade que tocamos nesse assunto para dizer que a duplicação de consoante é acompanhada de mais 2 sutras de Pāṇini: “jhalām jash jhashi” e “kari ca”, que transforma as consoantes sonoras aspiradas em não as aspiradas, o primeiro é referente as consoantes sonores e o segundo as surdas. E assim, “sarvavighnopashāntaye” deve ser lido como “sarvavigghno” e não “sarvavighghno”.
    Hari om

Leave a Comment

Start typing and press Enter to search