Shraddha & Viveka – Parte 1/8

“Conhecendo a Tradição Védica com Jonas Masetti”, é um conjunto de 8 vídeos que o Jonas gravou na India que aulas introdutórias sobre álguns conceitos iniciais que são vistos no estudo de Vedanta.

Aproveite o estudo! Harih OM!

Equipe VedantaOnline.org

Introdução

Nesse primeiro vídeo, o Jonas fala sobre Shradha e Viveka (Confiança/Fé e Discriminação), e explica o conceito que está por detrás dessas palavras, pois apesar delas serem traduzidas dessa forma, o seu significado real é muito mais profundo que isso.

A capacidade de “confiar” é muito importante, pois sem isso as pessoas não conseguem, em caso extremo, nem atravessam o sinal na rua.

A capacidade de “discriminar” também, pois existem situações onde as coisas não são exatamente como elas se apresentam para nós, pois qualquer informação que vem até nós sempre será analisada pela mente.

 

CONHECENDO A TRADIÇÃO VÉDICA – PARTE 1/8

Dentro do estudo de ayurveda e yoga, qualquer tema da tradição védica existe alguns pilares, que são conceitos que são comuns a vários meios espirituais e que por isso nós fazemos uma  conexão do que você estuda nas outras disciplinas (religiões), que também são vistas durante o estudo de Vedanta conceitos similares, mas que não necessariamente tem o mesmo significado.

Shradha (Confiança/Fé)

Hoje em dia se uma pessoa vai casar dentro da tradição védica ele vai consultar um astrólogo para saber o momento certo onde a menina vai receber o mangala sutra, (cordão de casamento) e o horário certo eles fecham a união.

Então existe uma conexão entre o ritual védico (Puja) e a astrologia no ponto de vista da influencia dos planetas. Da mesma maneira, se você esta fazendo um remédio ayurvedico, em alguns casos, a confecção desses remédios terão datas especificas para serem feitos, pois  essas datas, por alguma razão fazem com que o efeito desse remédio seja potencializado. Uma dica, para quem estuda vedanta ou mantras, é que pela manhã você deve comer uma colher de ghee porque isso aumenta sua capacidade de memória.

A influência espiritual também podem trazer problemas para as pessoas, e esseas siuações  também podem ser tratadas com ayurveda.

Existe a hostória de um garoto Havia um garoto paralitico. Antes de investigar se o probelma dele era espiritual, eles deram todas as possibilidades de e diagnposticos, mas não conseguiram descobrir por que ele era paralitico. Então eles fizeram um ritual e descobriram que havia a influência de um espírito. O astrólogo analisando o mapa astral desse garoto disse que aos seis anos de idade aconteceu alguma coisa com esse garoto relacionado a água que o deixou paralitico, e a mãe confirmou revelando que ele caiu de cabeça na piscina nessa idade e que ficou desacordado por algum tempo por conta dessa aconecimento. Eles concluiram então que foi nesse momento entrou um espírito e influenciou esse menino, e por causa desse espírito ele esta  paralitico. Após o astrólogo expor o problema, ele foi encaminhado para um ritual especifico para liberar o espírito preso ao menino. Esse ritual é composto por varias pessoas que tem funções diferentes dentro do ritual, e depois do ritual o menino ficou bem.

No coidente muitas vezes as pessoas duvudam disso. Quando o médico foi questionado pelo reporter do Globo reporter se ele acreditava naquilo, ele respondeu:

“A minha posição é a seguinte, eu acredito naquilo que vai ajudar o meu paciente. Se você disser que tem um mantra chinês que vai curar ele agente não ta conseguindo, porque não tentar? “

Então o limite da nossa dificuldade de lidar com nossas crenças é a nossa própria dificuldade quando agente chega a um nível de dificuldade na nossa vida aonde agente encontra problemas que com os meios que agente tem agente, não conseguimos resolver,  naturalmente nós ganhamos essa capacidade de confiar em algo que esta alem das nossas capacidades.

Isso dentro dessa tradição é chamado de “shraddha”, que é diferente do nosso conceito de Igreja ocidental de “fé cega”. Dentro da tradição também existe um termo parecido chamado “fé”. Porém shradra não é uma “fé cega”, mas sim uma objetividade… Uma ojetividade que um bebe tem que ter, pois quando você nasce, você não sabe reconhecer quem é sua mãe, mas você vai confiar na pessoa que te receber no colo porque você é totalmente dependente e uma pessoa totalmente dependente não pode se dar ao luxo de não confiar nas pessoas que estão em volta dela. Por isso então foi dado ao ser humano essa capacidade de “shraddha” que é uma capacidade de confiar.

Quando a capacidade de confiar cai na mente, a pessoa não consegue nem sair de casa… Ela não tem confiança no mundo… ela pode ter síndrome de pânico ou fobias, pois para você comprar um pão você precisar confiar que depois que você entregou o dinheiro a atendente ele vai entregar o pão pra você, e esse processo esta baseado na confiança. Se você dirige seu  carro, você para no sinal vermelho e avança no verde pois você confia que o outro lado o motorista esta parando no vermelho. Se esse nível de confiança no universo cai, o ser humano não se sente capaz de se relacionar no mundo, e isso gera um tipo de distúrbio.

E qual é o limite do shraddha? O limite do shraddha é o nosso raciocínio. Então se a pessoa me diz que algo aconteceu, mesmo confiando na informação, minha mente não tem opção a não ser avaliar aquilo que esta sendo dito dentro daquilo que eu já sei e verificar se isso é natural ou não. Logo se alguém diz que esse mundo só tem sofrimento, se você partir para o caminho da fé cega você ate pode dizer que acredita aqui ta todo mundo sofrendo, mas quando eu escuto uma piada eu consio rir e largar todo sofrimento, então por lógica eu condigo descartar essa possíbilidade, como na histório do menino com o pai…

O garoto tinha mais ou menos dois ou três anos de idade ele já andava e estava começando a falar. Além disso estava na fase de perguntar os porquês para o pai e de querer a atenção do mesmo, Porém o pai não dava atenção para ele. Até que um dia o seu filho diz para o ai que  havia uma coisa muito importante pra falar para ele. Conseguindo a atenção do pai, eles olham nos um do outro e no momento de silencio entre os dois então o filho diz:

-Pai quando eu crescer ou quero ser igualzinho a você.. – o pai fica emocionado e com  o coração cheio de emoção. Cheio de emoção ele pergunta ao filho:

– Pporque filho, você quer quer como eu? – e o garoto responde:

– Para eu poder ter um filho que nem eu!! – kkkkkkkkkkkkk (risadas).  Uma historia clássica da trdadição.

Quando você escuta uma historia como essa, você não deixa seus problemas… o casamento continua não foi resolvido, os pagamentos continuam pendentes. Mas mesmo assim nós podemos rir. Concluímos que se a natureza desse mundo fosse sofrimento, nós não poderíamos nem dar uma risada, mas no momento eu que eu esqueço a minha individualidade e que eu entro dentro de uma historia e me sinto livre. A mente sabe disso, e por isso no momento que alguém chega para ela e diz que esse mundo é só sofrimento e que não tem jeito… Isso é mentira. Eu não consigo ver como verdade. Pode ser que o outro veja a realidade dessa maneira,  mas o meu coração não vai aceitar!

Esse é isso esse é o limite do shraddha. A todo o mundo várias coisas são ditas, mas nem tudo que é dito eu consigo ver como verdade, pois senã a espiritualidade vira uma fantasia.

Por exemplo, pergunte para uma pessoa:

– Qual é o seu objetivo espiritual ? – A pessoa responde:

– Eu quero atingir o infinito, eu quero ser totalmente livre como o infinito.

– E o que você esta fazendo pra isso?

– Eu estou fazendo esse ritual.

– Então me diga uma coisa esse infinito que você esta buscando como ele começa? Depois do ritual? O ritual que você vai fazer ele é feito de coisas finitas ou infinitas…

– Não o mantra demora 10 segundos para cantar, o arroz que você vai oferecer fogo custa 20 rupias, e todos os objetos dentro do ritual são finitos…

– Então como você somando coisas finitas você vai aceitar um resultado infinito? Como que isso é possível? Como eu vou conceber que a vida eterna vai começar após o ritual?

Então existem vários “pré-conceitos” na espiritualidade que são estabelecidos que treinam as pessoas a não pensar. E quando você não pensa, você aceita qualquer coisa.

Quando eu me pergunto o que eu realmente estou buscando, tudo muda. Eu não estou mais buscando ou escolhendo uma filosófia, tipo  o budismos ou o catolicismo ou qualquer outro “ismo”, como se você um time de futebol. Isso funciona por um determinado tempo, mas a pergunta não é o que você quer qual, como em um cardápio, mas sim o que é a verdade, e em  qual desses caminhos eu vou descobrir a verdade sobre tudo isso.

Porque no fundo ninguém esta preocupado com Buda, Krishna ou jesus…….

Além disso, sem sem shraddha(confiança) você nem começa porque sozinho voce não tem as respostas, então eu tenho que partir pro mundo. Mas mesmo confiando no mundo eu tenho que ter Viveka, pois existe filosofias que estão a todo momento querendo criar em você uma atitude de fazer você não pensar. Por isso eu devo trabalhar com esses dois elementos. A capacidade de confiar no próximo, e ao mesmo tempo uma mente com discernimento, que não vai engolir qualquer coisa que vai ser dita pra mim, só porque a pessoa veio da índia ou passou três anos em um ashram, ou usa laranja.

Pois não faz diferença nenhuma a cor da roupa o tamanho da barba. As mesmas bararidades que as pessoas fazem no mundo ocidental, você vai ver as pessoas fazendo na India.

Então é importante quebra essas conceitos que se uma pessoa colocar uma roupa laranja ela vira santa, pois qualquer um pode usar laramja. Então a tradição temomo ojetivo passar um conhecimento, e dar para o aluno algo algo a ser entendido.

Esses são os dois primeiros conceitos a serem esntendidos.

 

Conclusão:

Viveka – Viver uma vida com uma capacidade de discriminação;

Shraddha – É a capacidade de confiar.

Viveka sem shraddha – Você não faz nada.

Eu fico preso dentro do meu próprio labirinto, e viro um filosofo da minha vida e fico elucubrando como que eu vou fazer pra ser feliz, e infeliz não e tento achar a resposta mas, também não aceito a opinião de ninguém sobre mim.

Exemplo 1 – (Shraddha sem Viveka):

Existe uma expressão que diz… Eu vivo aberto, que significa “eu não quero escutar o que você esta dizendo”.

Uma pessoa diz:

– Olha, eu li um livro muito interessante você não quer ele também?

– Não não, eu prefiro ficar aberto a me fechar em algum conceito.

Ou seja, eu sou aberto, mas na verdade, eu sou fechado, porque não tem shraddha.

E shraddha sem viveka é uma fantasia, onde as pessoas viajam pelas coisas.

Exemplo:

– Eu encontrei uma pessoa que vai me audar a resolver todos os meus problemas.

– Mas qual o seu problema?

– Eu não sei.

– Se você não sabe qual o seu problema, como você sabe se essa outra pessoa vai resolver?

Então esse estado estado perdido é viver sem viveka.

Leave a Comment

Start typing and press Enter to search